Associação de bares vai pedir adiamento da cobrança de dívidas durante pandemia

Fonte: Banda B

Diante da provável crise provocada pela pandemia do coronavírus, a Associação Brasileira de Bares e Casas Noturnas (Abrabar) anunciou nesta segunda-feira (2) que irá pedir a prorrogação e a renegociação de empréstimos, financiamentos e dívidas bancárias a empresários do setor. De acordo com o presidente da entidade, o objetivo a ação judicial é o de resguardar financeiramente a categoria

O anúncio foi feito após reunião entre o presidente da entidade, Fábio Aguayo, e o advogado especialista em resolução de dívidas, Orlando Anzoategui Jr.

Para o presidente da Abrabar, as medidas visam orientar e tranquilizar os empresários e seus negócios diante de um momento de incerteza. “Nós estamos vivendo momentos excepcionais. Toda a sociedade está fazendo o seu sacrifício, independente de classe social e econômica. Achamos que essas instituições bancárias não estão dando sua devida contribuição em orientar a população e nós empresários. Na questão dos alugueis já procuramos o Secovi e mandamos nossa proposta, mas como não deram retorno. As medidas do governo só contemplaram os adimplentes, mas nossa preocupação também é com os associados que não estão em dia”, afirmou.

Colaboração

Por sua vez, o advogado Orlando Anzoategui Jr. explicou que a pretensão da Abrabar encontra respaldo na recente medida anunciada pelo Conselho Monetário Nacional e Banco Central. Segundo ele, a medida tem o intuito de prorrogar as dívidas bancárias por 60 dias devido à crise financeira decorrente do Covid-19. No entanto, os bancos têm se negado a aplicar integralmente as regras, limitando tão somente aos que estão adimplentes, o que contraria a flexibilização e abrangência da Lei para todos.

“Os bancos agirão travando os inadimplentes. A movimentação dos bancos que em vez de afrouxar, irão flexibilizar tão somente para uma pequena parcela adimplente e que daqui a 60 dias terão que pagar três parcelas de uma única vez, podendo criar uma bola de neve, já que os reflexos da crise aparecerão pelo congelamento do mercado, onerando ainda mais os custos e despesas com a necessidade de adicional financeiro junto aos bancos. Será uma motivo de crise para muitas empresas, especialmente aquelas alavancadas em créditos bancários e financiamentos”, disse o advogado.

Colaboração

O pedido pela renegociação de dívidas será ajuizado em âmbito estadual e nacional. A expectativa da Abrabar é de que os bancos flexibilizem a negociação dos débitos e permitam os empresários de terem maior folego durante o período de crise, para que possam se recuperar e voltar a funcionar após o período de isolamento e dificuldades recorrentes do mesmo.

Bitnami